World Council of Churches

O Conselho Mundial de Igrejas é uma comunhão global que busca a unidade, o testemunho comum e o serviço.

Você está aqui: Entrada / Novidades / CMI expressa solidariedade no Dia Internacional em Memória das "Mulheres de Conforto"

CMI expressa solidariedade no Dia Internacional em Memória das "Mulheres de Conforto"

CMI expressa solidariedade no Dia Internacional em Memória das "Mulheres de Conforto"

Gil Won-Ok, sobrevivente da escravidão sexual militar japonesa durante a II Guerra Mundial sendo recebida pelo secretário geral do CMI, Rev. Dr Olav Fykse Tveit, numa reunião do CMI, em Bossey, Suíça.

2014-08-13

English version published on: 2014-08-14

A Dra. Isabel Apawo Phiri, diretora associada e secretária geral interina do CMI, expressou solidariedade com todos os que buscam justiça para as "mulheres de conforto" - coreanas que foram submetidas à escravidão sexual pelo Exército Imperial do Japão durante a II Guerra Mundial.

Phiri enviou uma carta ao Conselho Coreano das Mulheres de Conforto Submetidas à Escravidão Sexual Militar pelo Japão - War & Women's Human Rights Museum, como parte da ação global em torno do segundo Dia Internacional em Memória das "Mulheres de Conforto", observado no dia 14 de agosto.

O termo "mulheres de conforto" é usado para designar jovens e mulheres que foram submetidas à escravidão sexual pelos militares japoneses. Milhares de coreanas sofreram este tipo de abuso naquela época.

Até hoje, os pedidos para que o governo japonês peça desculpas formais pelos crimes cometidos contra as "mulheres de conforto" não foram reconhecidos.

A decisão de observar esta data foi tomada durante a 11a Conferência de Solidariedade Asiática com a Resolução de Escravidão Sexual Japonesa. Em 14 de agosto de 1991, Kim Hak-sun, uma sobrevivente da Coreia do Sul, falou em público pela primeira vez acerca das atrocidades a que foi submetida como "mulher de conforto".

"Apelamos às igrejas do Japão, da Península Coreana e de todo o mundo que dirijam-se ao governo japonês, especialmente através de nossas irmãs e irmãos no Japão, a fim de que um pedido de desculpas formal possa ser apresentado às "mulheres de conforto", disse Phiri, acrescentando que a reparação é essencial para estas "irmãs que passaram por esta experiência desumanizante".

Em sua mensagem, Phiri falou sobre Gil Won-Ok,uma das vítimas sobreviventes sul-coreanas da escravidão sexual militar japonesa que participou de uma recente reunião do CMI. "Sua mensagem para nós foi simples e clara: 'Por favor, construam um mundo pacífico, um mundo sem guerras.Desejo que nunca mais alguém sofra como eu sofri'", disse Phiri, lembrando as palavras de Gil Won-Ok.

Phiri ainda afirmou que o rosto da causa das "mulheres de conforto" é o da já falecida Kim Hak-sun. "Ela é a lembrança de que as meninas abduzidas e entregues aos campos de soldados japoneses tinham seus próprios sonhos e visões de futuro. Sua visão foi despedaçada e seus corpos foram violados em condições de extrema injustiça".

"Que o Deus da vida, que caminha ao nosso lado na peregrinação por justiça e paz, ofereça justiça às vítimas, apesar de tão longa demora", concluiu Phiri.

 

A carta do CMI sobre o Dia Internacional em Memória das "Mulheres de Conforto" (em inglês)

Assista: Peregrinação de Justiça e Paz do CMI - o testemunho de uma sobrevivente da escravidão sexual durante a II Guerra Mundial

CMI promove discussão sobre escravidão sexual durante a Segunda Guerra Mundial (Notícia de 1 de julho de 2014 - em inglês)

Mulheres na Igreja e na Sociedade